Tradições à portuguesa

2317taleigo2

Taleigo – Foto retirada daqui

O relógio ainda não bate as doze badaladas que antecipam o mês de outubro e já somos visualmente atormentados por teias de aranha de origem dúbia e abóboras brutalmente forçadas a exprimirem um ar maléfico tão pouco natural nelas. Como que por magia o oceano Atlântico encurta-se e tornamo-nos, aparentemente, vizinhos dos States e das suas tradições Haloweenescas. 

Os portugueses depressa assimilaram a tradução portuguesa do “Trick or Treat” e saem à rua, nesta que é a noite de todos os sustos, com o disfarce de carnaval do ano passado, extremamente empenhados na sua busca à cárie dentária.

Não era preciso atravessar o atlântico inteiro para encontrar uma tradição um tudo nada semelhante a esta. Em Portugal, desde do século XV, celebra-se na manhã do dia de todos os Santos (1 de novembro) uma tradição chamada “Pão por Deus”.

Este costume ainda vive em algumas localidades portuguesas e, para o assinalar, grupos de crianças saem à rua para bater à porta dos seus vizinhos, empunhando os seus taleigos (vulgo, sacos de pano). Após recitar alguns versos ou pedir de forma direta “Pão por Deus!” recebem em troca pão, bolos típicos, romãs, castanhas, doces, frutos secos ou até mesmo algumas moedas.

Alguns acreditam que este costume se tenha inspirado num ancestral culto aos mortos, usando as doações como oferenda às almas dos defuntos na sua passagem para o outro lado. Outros registos mostram que os alimentos angariados eram  distribuídos pelos mais desfavorecidos.

Apesar de ofuscada pela tradição americana,  há quem se esforce por manter vivo este ritual de 1 de novembro, numa vertente mais lúdica e solidária. Para trás fica um legado muito português de quadras mordazes:

“Ó tia dá Pão por Deus?

Se não o tem, deu-lho Deus!

Se o tem e não o quer dar,

O gorgulho lhe dê no pote

E não lhe deixe farinha

Nem farinhote!”

Claramente uma versão mais elaborada do repetido Trick or Treat…

Informação retirada daqui e dali

Beatriz Neves